redcake

Como criar o nome perfeito para a sua empresa

Em tradução literal, naming significa nomear, dar um nome. Em geral, a maioria das pessoas pensa bastante antes de escolher o nome de um filho, afinal de contas é algo que o acompanhará para o resto da vida.  No caso de uma marca, não poderia ser diferente. Ao contrário, você pode até ter um excelente produto, mas que nunca irá decolar porque sua marca não transmite o conceito que define o seu produto, negócio ou serviço.

RedCake Agência Digital, esse foi o nome que escolhemos para representar a nossa empresa. Mas, por que RedCake? Para começar, não queríamos nada convencional, pensamos em algo que transmitisse uma presença forte e que tivesse significado e importância para todos nós. Então veio a primeira ideia, adotar o vermelho (Red), uma cor quente, forte e marcante.

Como o sangue que é um elemento essencial em nossas vidas e que circula por todo o corpo, sendo constantemente renovado. E o “Cake” (bolo)? Comer é sempre bom, né gente? Mas, nesse caso, não é isso que significa. Ele representa toda nossa criatividade, inteligência, inovação e dinamismo. O que pode ser mais criativo que um bolo? Por acaso, vocês já assistiram Cake Boss?!

O “processo de naming” é extremamente útil para quem precisa de um nome, mas ainda não sabe por onde começar. Ele inclui a realização de pesquisas de mercado, criação de diversas ideias, testes e vários outros detalhes. Também existem empresas especializadas em fazer todo esse processo, como a Lexicon, criadora do nome “Blackberry“.

Apesar de serem excelentes empresas, geralmente cobram valores muito altos para pequenas empresas investirem. Mas isso não quer dizer que você não possa criar o nome ideal, na verdade, se seguir os passos que vamos te apresentar, talvez faça melhor que qualquer empresa especializada, pelo simples fato de que ninguém conhece a sua empresa melhor do que você, certo?

Tipos de nomes 

  • Descritivo

São aqueles que indicam o que a empresa oferece, seja produto ou serviço. A vantagem desse tipo de nome é que posiciona a marca de forma clara no mercado, fazendo com que o consumidor entenda de forma simples e rápida qual é o produto oferecido.

Em contrapartida, restringe a marca, fazendo com que seja bem difícil ampliar ou alterar o tipo de produto. Bons exemplos são o Banco do Brasil e Galinha Pintadinha, é – quase – impossível não saber do que se tratam.

  • Siglas

É a abreviação de um nome. Como DTC Brinquedos e IBM.

Por ser um grupo de letras, não transmite tanto “sentimento”, é como se o nome fosse “seco”, é aquilo e pronto, sem um significado que cause empatia. A parte positiva é que, por serem curtos, são rápidos e fáceis de falar e lembrar.

  • Inventados

São aqueles nomes criados especialmente para representar uma marca. Apesar de não carregarem um significado anterior que possa “sustentar” seu marketing, são nomes únicos e poderosos, que nunca foram usados antes.

Bons exemplos são a Kodak, criado por sua sonoridade e LEGO, a fusão de duas palavras dinamarquesas “leg godt”, que significa “brincar bem”.

  • Sugestivos

Estão ligados aos aspectos sugestivos do produto. Como Hot Wheels, que significa “rodas quentes”, é o nome de uma marca que produz carrinhos de brinquedo e Antártica, para cervejas, tipicamente consumidas geladas.

Esse tipo de nome ajuda a criar uma imagem mais profunda do que simplesmente os produtos ou serviços que a empresa tem a oferecer. Nesse caso, é preciso muito cuidado e assertividade, porque se criados fora de sintonia com a marca pode prejudicar sua imagem.

  • Experiências

São aqueles que remetem a sentimentos ou experiências que a marca entrega. Esse tipo cria certa expectativa sobre a marca, o que a torna diferente no mercado. Mas precisam estar muito bem alinhados com o propósito da marca, se não, perdem sua força.

A Grow é um exemplo perfeito que significa “crescimento”, foi pensada para crianças que estão passando exatamente por essa fase. A Vivo é outro, representando uma vida de acessibilidade e proximidade.

  • Próprios

Com certeza você conhece essas marca: Walt Disney e Ford. Carregando o nome de seus criadores, são fortes e levam as conquistas de seus fundadores para o mundo.

A parte ruim é que não indica qualquer característica da marca, mas se o nome tiver uma boa sonoridade, é uma opção que dificilmente encontrará concorrência.

  • Novos nomes

BIS – é um exemplo da utilização de prefixos e segmentos de palavras, significando “repetição”, o produto leva o consumidor a comer “só mais um”…;

Tectoy – exemplo de combinação de palavras relevantes para o seu negócio. A marca de brinquedos uniu “tec”, de tecnologia, e “toy”, de brinquedo;

Mattel – a combinação de dois nomes próprios: “Matt” + “El”, de Elliot = “Matt-el”;

 Perguntas de caracterização do naming

Para conquistar o nome que levará sua empresa a ser conhecida no segmento e, quem sabe, até no mundo, você precisa oito (08) perguntinhas básicas. Elas vão te ajudar a escolher o nome que irá transmitir visão, âmbito, posicionamento, caráter e a ideia central da marca, desenvolvendo um bom desempenho do nome.

  1. Facilidade: é simples de pronunciar e escrever?
  2. Expressão: demonstra o propósito da marca e personalidade?
  3. Distinção: qual é o aspecto único que se destaca da competição?
  4. Memorização: o nome é fácil de lembrar?
  5. Aparência: é agradável de ler? A aparência é tão boa quanto a sonoridade?
  6. Disponibilidade: o domínio (url) está disponível?
  7. Interesse: tem bons resultados na perspectiva do SEO?
  8. Versatilidade: pode ser usado internacionalmente sem distorcer o significado?

Tanto na criação do nome da marca quanto no nome dos produtos e serviços a serem oferecidos pela empresa é muito importante ficar atento às questões culturais do local onde serão inseridos. Alguns exemplos que não funcionaram no Brasil são:

– o refrigerante Josta, da Pepsi, uma bebida internacional que por sua sonoridade foi impedida de ser comercializada;

– casos conflitantes como a clínica veterinária Só Cão, que também atende gatos;

– e nomes com duplo sentido, como o carro Pinto, da Ford, que não deu certo por causa da má associação do nome.

Passo a passo da escolha

#1. Pesquisa! Estude os possíveis nomes para sua marca ou atributo do produto: pronúncia, escrita, tendências e uso por outras marcas.
#2. Brainstorming! Você pode começar fazendo listas de nomes, de maneira aleatória e sem filtrar as ideias ruins, deixe a criatividade fluir.
#3. Filtro! Lembra das “perguntas de caracterização do naming”? Então, com base nelas, selecione aqueles nomes que se encaixam nos requisitos.
#4. Teste! Faça testes para avaliar o desempenho de cada nome da lista já filtrada. Ah, lembre de tirar os nomes já usados por outras marcas!
#5. Registre! É importante que, logo após a escolha do nome definitivo, você registre sua marca, compre os domínios associados a ela e crie as redes sociais com esse mesmo nome.

Fase final: a escolha do nome

 Para a fase final, opte por testes. Confiar apenas nos nossos instintos nem sempre pode ser uma boa opção. Faça um grupo de testes e analise as respostas das pessoas:

Profundidade: Quais são os significados que o nome traz, tanto pelo significado quanto por associação?

Memória: Quais nomes as pessoas no grupo de teste lembram depois de uma semana?

Aparência: Quais são os sentidos quando o nome está em uma logo? Isso altera a preferência das pessoas por um nome?

Posicionamento: Quantos e quais dos significados levantados são relevantes para o posicionamento da marca no mercado.

Sonoridade: O nome soa bem? Quais são os nomes favoritos quando são falados em voz alta?







Cases

A melhor forma de conhecer a qualidade dos nossos serviços é através daqueles com quem trabalhamos.